Existencialistas famosos

Husserl, Sartre, Beauvoir e Heidegger

Aqui você encontra um breve histórico sobre os existencialistas mais conhecidos e estudados na Psicologia:

 

Jean Paul-Sartre

Foi filósofo, escritor e crítico francês. Ficou conhecido como o maior representante do existencialismo e acreditava que os intelectuais deveriam ter um papel ativo em sociedade, por este motivo era militante de esquerda refletindo seu pensamento em sua forma de vida e em suas obras. Um exemplo de sua vivência esquerdista foi a recusa do Nobel de Literatura em 1964.
Segundo o pensamento sartriano a existência precede a essência, desta forma primeiro se nasce e depois se define, não havendo uma essência anterior ao nascimento. Baseado principalmente na fenomenologia de Husserl e em ‘Ser e Tempo’ de Heidegger o existencialismo sartriano procura explicar todos os aspectos da experiência humana. Seus livros mais famosos são: “O Ser e o Nada” e “Crítica da razão dialética”.
Juntamente com Simone de Beauvoir, sua companheira e colaboradora, formou um dos casais não convencionais e filosóficos mais conhecidos até os dias de hoje.

 

Martin Heidegger

Um dos mais importantes pensadores do século XX, principalmente pela temática central de se (re)pensar o “ser”, ou seja, o indivíduo e sua relação com o mundo onde vive. Foi grande influência para diversos filósofos, entre eles Jean-Paul Sartre.
Heidegger cursou Teologia e logo depois ingressou em Filosofia, onde teve como professor, Edmund Husserl, idealizador da Fenomenologia. Foi e ainda é um filósofo que divide opiniões por ter sido polêmico em algumas questões de sua vida. Muito próximo de Husserl, foi seu assistente após terminar sua graduação, e com ele teve base para escrever o livro mais importante de sua carreira – “Ser e Tempo”. Anos mais tarde se inscreve no Partido Nazista, comunica a Husserl, que era judeu, sua demissão como professor e um tempo depois se torna reitor da Universidade de Friburgo. “Ser e Tempo” a principio foi dedicada a Husserl, porém após sua aproximação com o nazismo, Heidegger retira a dedicatória em sua próxima edição.
A leitura da filosofia de Heidegger estrutura-se sobre conceitos como: Dasein (o ser-aí ou o ser-no-mundo), morte, angústia e tomada de decisão. Teve como aluna a judia Hannah Arendt, que se tornou também uma importante filósofa do século XX e com quem se envolveu amorosamente.

 

Søren Kierkegaard

Considerado o pai do existencialismo Kierkegaard foi filósofo e teólogo dinamarquês. Grande parte da sua obra versa sobre as questões de como cada pessoa deve viver, focando sobre a prioridade da realidade humana concreta em relação ao pensamento abstrato, dando ênfase à importância da escolha e compromisso pessoal. Na vertente psicológica explorou as emoções e sentimentos dos indivíduos quando confrontados com as escolhas que a vida oferece.
É um dos poucos autores cuja vida exerceu profunda influência no desenvolvimento da obra. As inquietações e angústias que o acompanharam estão expressas em seus textos, incluindo a relação de angústia e sofrimento que ele manteve com o cristianismo. Muitas das suas obras lidam com problemas religiosos tais como a natureza da fé, a instituição da fé cristã, ética cristã e teologia. Por causa disto, a obra de Kierkegaard é, algumas vezes, caracterizada como existencialismo cristão, em oposição ao existencialismo de Jean-Paul Sartre, considerado de base ateísta. Um de seus livros mais famosos é: “O Conceito de Angústia”.

 

Simone de Beauvoir

Foi escritora, filósofa existencialista e feminista francesa. Depois de passar nos exames de bacharelado em matemática e filosofia, estudou matemática no Instituto Católico e literatura e línguas no Instituto Sainte-Marie, e em seguida, filosofia na Universidade de Paris. Em 1929, com 21 anos, Beauvoir se tornou a pessoa mais jovem a entrar no mestrado de filosofia e a nona mulher a obter este grau na França. Foi professora de filosofia até 1943 em escolas de diferentes localidades francesas.
Além da relação amorosa com Jean-Paul Sartre, mantinha também uma grande afinidade intelectual com seu parceiro. Beauvoir colaborou com a obra filosófica de Sartre, revisava seus livros e também se tornou uma das principais filósofas do movimento existencialista. Sua obra literária inclui diversos volumes autobiográficos, que frequentemente relatam o processo criativo de Sartre e dela mesma.
Considerada uma das precursoras do movimento feminista, era uma grande ativista por lutas sociais e de direito das mulheres. Seus livros mais famosos são: “O Segundo Sexo” – uma profunda análise sobre o papel das mulheres na sociedade – e “Os mandarins” – obra pela qual recebeu o Prêmio Goncourt e que é considerada a sua obra-prima.

 

Karl Jaspers

Breve resumo.

 

Edmund Husserl

Foi matemático, filósofo e o responsável por criar a escola da fenomenologia. Ele rompeu com a orientação positivista da ciência e da filosofia de sua época. Acreditando que a experiência é a fonte de todo o conhecimento ele trabalhou em um método de redução fenomenológica em busca de “voltar-se as coisas mesmas”, ou seja, na descrição das experiências vividas como forma de se aproximar ao máximo do fenômeno existente.

 

Sara Campagnaro on rssSara Campagnaro on linkedinSara Campagnaro on facebookSara Campagnaro on email2
Sara Campagnaro
Possui graduação em Psicologia pela Faculdade Assis Gurgacz. Especialista em Psicologia Fenomenológico-Existencial pela Universidade Paranaense (UNIPAR). Atua como Psicóloga Clínica e Escolar na cidade de Curitiba. Palestrante e ministrante de cursos na área de testagem psicológica escolar e psicologia existencial para alunos e profissionais da psicologia.

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Pode usar estas etiquetas HTML e atributos: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>